Sede de grupos de teatro:

Espaço de afeto dedicado à produção de memória, e conhecimento.

Autores

  • Thiago Carvalho de Sousa Correia Universidade Federal da Bahia - UFBA

Palavras-chave:

Sede de grupo - espaço/sede - gestão de espaço - memória

Resumo

Este escrito se destina à reflexão de um espaço/sede, um espaço que se configura como lugar de criação, mas também como lugar de sustentação, lugar de entendimento da linguagem teatral, por vez o lugar da reflexão das políticas de acesso. Enquanto membro de dois grupos de teatro residentes na cidade de São Salvador “Grupo de Teatro Finos Trapos (BA)”, “Coletivo das Liliths (BA)” e gestor da Evoé Casa de Criação (BA), este pesquisador questiona sobre o lugar da sobrevivência, principalmente, com o novo cenário apresentando, sem políticas voltadas para grupos que ocupam espaços/sedes na capital baiana.  Apesar de um contexto em que foi conquistada a política de editais, já não é mais possível para grupos de teatro, em especial, no estado da Bahia, se manterem apenas com recursos públicos, pois os meios e mecanismos são insuficientes.

Biografia do Autor

Thiago Carvalho de Sousa Correia, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Thiago Carvalho é ator, pesquisador, produtor executivo, gestor e educador, doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – PPGAC-UFBA, especialista em Política e Gestão Cultural pela Universidade Federal do Recôncavo - UFRB. É professor tutor do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal da Bahia – UFBA, professor credenciado no programa de pós-graduação lato sensu em Pedagogia das artes: linguagens artísticas e ação cultural- EPARTES - UFSB, professor convidado da Faculdade 2 de Julho. É membro do Grupo de Teatro Finos Trapos e Coletivo das Liliths (Ba), gestor da Evoé Casa de Criação, e é Assessor Técnico na Diretoria de Espaços Culturais na Secretaria de Cultura do Estado da Bahia – SECULTBa.

E-mail: thiagopftc@hotmail.com

Referências

BOTELHO, Isaura. Os equipamentos culturais na cidade de São Paulo: um desafio para a gestão pública. Revista Espaço e Debates. São Paulo: Núcleo de Estudos Regionais e Urbanos. v.23. n.43-44. jan/dez, 2003

BONDÍA, Larrosa Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Trad. João Wanderley Geraldi, Revista Brasileira de Educação, nº. 19. Ano de 2002. Acesso em 13 de março de 2021 no www.scileo.br/pdf/rbedu/n19/n19ao2.pdf

COELHO NETTO, José Teixeira. Dicionário Crítico de Política Cultural. São Paulo, 1997.

COLBARI, Antônia. A análise de conteúdo e a pesquisa empírica qualitativa. In: MOULIN DE SOUZA, Eloísio. (Org.). Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional Vitória: EDUFES, 2014.

FALABELLA, Cida. A insustentável leveza do teatro. In: Subtexto – Revista de Teatro do Galpão Cine Horto -nº. 10. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2013, p. 59 – 66.

GLEIZER, M. Espinosa e a afetividade humana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 205.

KAUARK, Giuliana; RATTES, Plínio; LEAL, Nathalia. Procedimentos básicos da gestão de espaços culturais. In: GiulianaKaurk, Plínio Rattes e Nathalia Leal (orgs.). Um lugar para os espaços culturais: gestão, territórios, públicos e programação. Salvador: Edufba, 2019, p.29 - 55.

MORAES, Edson Martins. Arte popular na instituição cultural: desafios postos à mediação. (Dissertação de mestrado – Àrea de concentração Artes Visuais) Instituto de Artes da UNESP, 2006.

NETO, Gordo; BARRETO, Vitor, JR, Luiz Antônio Sena; BEZERRA, Felipe; GUIMARAES, Luis. As casas do centro antigo de Salvador: um olhar sobre três espaços culturais alternativos. In: GiulianaKaurk, Plínio Rattes e Nathalia Leal (orgs.). Um lugar para os espaços culturais: gestão, territórios, públicos e programação. Salvador: Edufba, 2019, p.157 - 178.

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Tradução e notas de Tomaz Tadeu. 2. Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

Site Consultado:

http://www.grupofinostrapos.com.br

Downloads

Publicado

26/10/2021

Como Citar

CORREIA, T. C. de S. Sede de grupos de teatro:: Espaço de afeto dedicado à produção de memória, e conhecimento. Revista Trilhos, Santo Amaro, Bahia, v. 2, n. 1, p. 139-152, 2021. Disponível em: https://revistatrilhos.com/home/index.php/trilhos/article/view/46. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos
Recebido em: 14/04/2021
Aceito em: 26/10/2021
Publicado em: 26/10/2021

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.