Efeitos do exotismo:

Ideologia na prática do jornalismo de viagens

Autores

Palavras-chave:

Efeitos do exotismo, Jornalismo de viagens, Análise do Discurso, Ideologia

Resumo

O jornalismo de viagens, praticado por revistas mais comerciais/turísticas e por meios de divulgação científica e cultural, pode produzir um olhar exotificado sobre a cidade e o sujeito. Pensando nisso, este artigo questiona como pode o jornalismo de viagens significar pelos efeitos do exotismo? Diante da questão, são propostos estes objetivos: levantar um percurso teórico-analítico, no bojo da disciplina de Análise do Discurso, para situar a dimensão da ideologia; pensar discursivamente a noção de exótico; e compreender, diante dos materiais jornalísticos, possíveis efeitos do exotismo. O corpus é construído com reportagens da “Qual Viagem”, “Viagem e Turismo” e “Viaje Mais”, importantes revistas de viagem no Brasil, podendo-se estabelecer que o exotismo se marca na relação de superioridade e inferioridade, formulada por esse tipo de jornalismo, significando o “outro”, na cidade e no sujeito.

Biografia do Autor

Vinícius Brito, Universidade Estadual de Campinas

Vinícius de Brito é doutorando em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mestre em Divulgação Científica e Cultural pela Unicamp. Jornalista pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Editorial Presença, 1980.

BALDINI, L. J. S., ZOPPI-FONTANA, M. G. A Análise Do Discurso No Brasil. Décalages: Vol. 1: Iss. 4. 2013. Disponível em: https://goo.gl/s27XHs. Acesso em: 28 mar. 2021.

BORGES, J. L. Jorge Luis Borges Obras Completas 1923-1972. Buenos Aires: Emecé Editores, 1984. Disponível em: https://goo.gl/VXL2Mr. Acesso em: 19 mar. 2021.

BOTTOMORE, T. Dicionário do pensamento marxista. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

BUENO, F. da S. Grande Dicionário Etimológico-Prosódico da Língua Portuguesa: Vocábulos, expressões da língua geral e científico-sinônimos contribuições do Tupi-Guarani. Edição Saraiva: São Paulo, vol. 3, 1965.

CERTEAU, M. de. A cultura no plural. Tradução de Enid Abreu Dobránszky. 7a ed. Campinas: Papirus, 2014.

COURTINE, J-J. Definição de orientações teóricas e construção de procedimentos em Análise do Discurso. Tradução de Flávia Clemente de Souza e Márcio Lázaro Almeida da Silva. Policromias, junho de 2016.

ELIAS, N. O processo civilizador. Tradução de Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

FRANÇA, G. da R. A. Gênero, raça e colonização: a brasilidade no olhar do discurso turístico no Brasil e na França. 2018. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.

FREUD, S. História de uma neurose infantil: (“O homem dos lobos”): além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

FREUD, S. El malestar en la cultura. In: El malestar en la cultura: sobre los sueños miscelánea. Tradução de Luis Lopez-Ballesteros y de Torres. México: Editorial Iztaccihuatl, 1985.

JANÉ, M. B. Periodismo de Viajes: Análisis de una especialización periodística. Sevilla: Comunicación Social, 2002.

KRISTEVA, J. Extranjeros para nosotros mismos. Tradução de Xavier Gispert. Barcelona: Plaza & Janes Editores, 1991.

MAGALHÃES, B.; MARIANI, B. PROCESSOS DE SUBJETIVAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO: IDEOLOGIA E INCONSCIENTE. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, v. 10, n. 2, p.p. 391-408, maio/ago. 2010.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

ORLANDI, E. P. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes Editores, 2004.

ORLANDI, E. P. Discurso e Texto: Formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes Editores, 2008a.

ORLANDI, E. P. Discurso e Leitura. São Paulo: Cortez e Editora da UNICAMP, 1988.

ORLANDI, E. P. Entrevista Eni Puccinelli Orlandi. [janeiro-junho, 2015]. Cuiabá: Revista Polifonia. Entrevista concedida a José Simão. 2015.

ORLANDI, E. P. Eu, Tu, Ele: Discurso e real da história. Campinas: Pontes Editores, 2017.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1998.

ORLANDI, E. P. Língua e Conhecimento Linguístico – para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

ORLANDI, E. P. Terra à vista - Discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. Campinas: Editora UNICAMP, 2008b.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Org.) Papel da memória. Tradução e introdução José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Traduzido por Eni Pulcinelli Orlandi, Lorenço Chacon J. Filho, Manoel Luiz Gonçalves Corrêa e Silvana M. Serrani, 2ª ed., Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

SEGALEN, V. Ensayo sobre el exotismo: una estética de lo diverso. Tradução de Martín Schifino. Espanha: La Línea del Horizonte Ediciones, 2017.

TODOROV, T. Nosotros y los otros. Tradução por Martí Mur Ubasart. Madrid: Biblioteca Nueva, 2013.

URRY, J. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Studio Nobel, 1999.

Reportagens:

MANCZYK, N.; FITTIPALDI, M. Emoção em dose tripla!!! África do Sul. Viaje Mais. São Paulo, n. 195, 2017.

SETTI, A. Vai que é demais! Viagem e Turismo. São Paulo, ed. 260, 2017.

SIMÕES, T. Templos dourados e cenários de sonho. Qual Viagem. São Paulo, n. 44, 2017.

Downloads

Publicado

26/10/2021

Como Citar

BRITO, V. Efeitos do exotismo:: Ideologia na prática do jornalismo de viagens. Revista Trilhos, Santo Amaro, Bahia, v. 2, n. 1, p. 120-138, 2021. Disponível em: https://revistatrilhos.com/home/index.php/trilhos/article/view/44. Acesso em: 3 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos
Recebido em: 13/04/2021
Publicado em: 26/10/2021