Epistemologias negras na Comunicação

por encruzilhadas que nos levem ritmicamente além

Autores

  • Rafael Pinto Ferreira de Queiroz UFPE

Palavras-chave:

Epistemologias Negras, Comunicação, Música Negra, Ritmo

Resumo

Este texto, escrito de forma ensaística, busca trazer contribuições para o campo comunicacional a partir de Epistemologias Negras. Propõem-se novas formas de se olhar para o que é considerado ciência e seus atributos, em sua apresentação hegemônica, a partir de sua constituição baseada na colonialidade, eurocentrismo e supremacia branca. Há, por um lado, uma argumentação de que epistemes enegrecidas já carregam desde seus primórdios uma atitude decolonial, centrando-se em subjetividades não brancas e desconstruindo temas, paradigmas, metodologias, assim como a suposta neutralidade dos estudos acadêmicos. Por outro, busca-se demonstrar que precisamos ir além, considerando saberes constituídos em África e suas diásporas, longe do mundo logocêntrico, como novas formas de epistemologia a serem consideradas, principalmente advindas da interação entre cosmopercepções e a música negra.

Referências

AGAWU, Kofi. Representing African Music. Critical Inquiry, Volume 18, Número 2, Winter, 1992.

_____________. African Rhythm: a Northern Ewe perspective. New York: Cambridge University Press, 1995.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón, MALDONADO-TORRES, Nelson (orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BORGES, Rosane. Mídias, racismos e outras formas de destituição: elementos para o reposicionamento do campo da comunicação. In: CORRÊA, Laura Guimarães (org.). Vozes Negras em Comunicação: Mídia, racismos, resistências. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-ser como fundamento do Ser. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação,Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

EDWARDS, Brent Hayes. Os usos da diáspora. Translatio, Porto Alegre, n. 13, pp. 40-71, Junho de 2017.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Ed.34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Intelectuais negros e produção do conhecimento: algumas reflexões sobre a realidade brasileira. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (orgs) Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, No. 92/93 (jan./jun.), 1988, p. 69-82.

_____________. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, pp. 223-244.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. Patologia social do branco brasileiro. Jornal do Comércio, jan., 1955.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HOOKS, Bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

HOUNTONDJI, Paulin J. Conhecimento de África, conhecimentos de africanos: duas perspectivas sobre os Estudos Africanos. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (orgs) Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.

JAJI, Tsitsi Ella. Africa in Stereo: Modernism, Music, and Pan-African Solidarity. New York: Oxford University Press, 2014.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2. Edição, 2010.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Transdisciplinaridade e decolonialidade. Soc. estado., Brasília, v. 31, n. 1, p. 75-97, Apr. 2016.

________________. Analítica da Colonialidade e da Decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES,Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs). Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico. São Paulo: Autêntica, 2018.

MARTINS, Leda Maria. Performance do tempo espiralar, poéticas do corpo-tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

NASCIMENTO, Abdias do. O Quilombismo. São Paulo: Editora Perspectiva, Rio de

Janeiro: Ipeafro, 2019.

________________. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo

mascarado. São Paulo: Perspectivas, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. Afrodiáspora - Revista do mundo negro. Ano 3, Números 6 e 7, abril-dezembro de 1985.

QUEIROZ, Rafael Pinto Ferreira de. Fogo nos racistas! Epistemologias negras para ler, ver e ouvir a música afrodiaspórica. 2020. 276 f. Tese (doutorado em Comunicação) – Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

RUFINO, Luiz. Exu e a Pedagogia das Encruzilhadas. 231 f. (Tese), Doutorado em Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Faculdade de Educação. Rio de Janeiro, 2017.

SANTANA, Tiganá. Abrir-se à hora: reflexões sobre as poéticas de um tempo-sol (Ntangu). Revista Espaço Acadêmico, v.20, n.225, nov./dez. 2020.

SANTO, Spirito. Do samba ao funk do Jorjão. Rio de Janeiro: Sesc, 2016. SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagô e a morte. Petrópolis: Vozes, 2012.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SODRÉ, Muniz A. C. Pensar nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2017. ___________. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: As vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

SOVIK, Liv; ANSEL, Thiago. Nota editorial. Revista Animus, UFSM, Santa Maria, v. 14, n. 27, 2015, p. 1-2.

WEST, Cornel. The dilema of the black intellectual. The Cornel West: reader. Basic Civitas Books, 1999, p. 302-315. Tradução e notas de Braulino Pereira de Santana, Guacira Cavalcante e Marcos Aurélio Souza.

Downloads

Publicado

17/11/2022

Como Citar

QUEIROZ, R. P. F. de . Epistemologias negras na Comunicação: por encruzilhadas que nos levem ritmicamente além. Revista Trilhos, Santo Amaro, Bahia, v. 3, n. 1, p. 194–209, 2022. Disponível em: https://revistatrilhos.com/home/index.php/trilhos/article/view/94. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Práticas sonoro-musicais: raças, gêneros e conexões comunicacionais