Notas autoetnográficas sobre a preservação de alto desempenho do artista

Dilemas entre o processo de controle de qualidade da cerveja artesanal e o cuidado com o performer

Autores

  • Felipe Saldanha Odier Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes da Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Música Popular Urbana, Cena Musical, Etnomusicologia, Autoetnografia, Show

Resumo

Nesse artigo, pretendemos contribuir com reflexões, ensaiadas desde a autoetnografia, sobre dilemas que tangem a produção e a gestão de carreira artística, no contexto da música popular urbana. Colocando em partilha, alguns aspectos sensíveis, que precisam com urgência de revisão, por parte das redes de cooperação envolvidas nos mundos da arte em que esses profissionais circulam e trabalham. Fatores de cuidado no tratamento do performer, em seus antecedentes e na duração de sua arte ao vivo, que podem interferir fortemente no serviço contratado. Como exemplo de garantia de cuidado, atenção e interesse em conservar produtos como bebida artesanais e ou alimentos, que devem ser submetidos a teste de qualidade, acondicionamentos e preparos com alto grau de meticulosidade, para que o cliente fique satisfeito, propomos esse exercícios de alteridade, colocando o artista em contiguidade com um produto comercializado.

Referências

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Tradução de Léa Noaves. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BECKER, Howard S. Mundos da Arte. Trad. Luís San Payo. Lisboa: Livros Horizonte, 2010.

BRILHANTE, Aline Veras Morais; MOREIRA, Cláudio. Formas, fôrmas e fragmentos: uma exploração performática e autoetnográfica das lacunas, quebras e rachaduras na produção de conhecimento acadêmico. Interface (Botucatu) vol.20 no.59 Botucatu Oto./Dec. 2016.

DANTAS, Mônica Fagundes. Ancoradas no corpo, ancoradas na experiência: etnografia, autoetnografia e estudos em dança. Urdimento, v.2, n.27, p.168-183, Dezembro 2016.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da etnografia e da autoetnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, Porto Alegre, n. 7, p. 77-88, 2009.

FRAIRE, Eduardo Betancourt. Autoetnografia: Antropología Del Proprio Ser. Monografia (Licencenciado em Atropología Social) – División de Ciencias Sociales y Humanidades, Universidad Autónoma Matropolitana – IZTAPALAPA. Ciudad de México, 2016.

HENNION, Antoine. Música e mediação: para uma nova Sociologia da Música. Tradução: Flavio Barbeitas. In: The Cultural Study of Music: A Critical Introduction. M. Clayton, T. Herbert, R. Middleton eds. London: Routledge, 2002.

HENNION, Antoine. Pragmática do Gosto. Desigualdade & Diversidade – Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, no 8, jan/jul, 2011, pp. 253-277.

HENNION, Antoine. Uma sociologia dos attachements: de uma sociologia da cultura a uma pragmática do gosto. Tradução: Lúcia Campos. 2004/3 (n° 85), p. 9-24, 2004.

LÓPEZ-CANO, Rubén; OPAZO, Úrsula San Cristóbal. Investigación artística en música: Problemas, métodos, experiencias y modelos. Barcelona: Esmuc, 2014.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n.42, p. 377-391, jul./dez.2014.

SEEGER, Anthony. Etnografia da Música. Cadernos de campo. São Paulo, 2008.

VERSIANI, D. B. Autoetnografias: conceitos alternativos em construção. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

Downloads

Publicado

17/11/2022

Como Citar

SALDANHA ODIER, F. Notas autoetnográficas sobre a preservação de alto desempenho do artista: Dilemas entre o processo de controle de qualidade da cerveja artesanal e o cuidado com o performer. Revista Trilhos, Santo Amaro, Bahia, v. 3, n. 1, p. 61–76, 2022. Disponível em: https://revistatrilhos.com/home/index.php/trilhos/article/view/63. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos